Só os ossos: seca mata milhares de vacas na Argentina, que ficam à deriva nos pastos

  • 21/01/2023
(Foto: Reprodução)
No país, cerca de 26 milhões de cabeças de gado - dos mais de 54 milhões que compõem o tesouro nacional - estão em risco. Chuvas deveriam ter começado em setembro. Vacas mortas na Argentina por causa da seca AP Foto/Gustavo Garello Em um campo na província argentina de Santa Fé, um bezerro morto está deitado a poucos metros de uma vaca que desmaiou alguns dias antes de fome. O silêncio que os envolve é quebrado pelo som insistente de várias crias indefesas. “Aqueles bezerros estão mugindo porque a mãe morreu”, disse o fazendeiro Gustavo Giailevra à Associated Press, enquanto apontava resignadamente no dia anterior aos animais que em poucos dias eles também morreriam por falta de água e forragem. Sua fazenda de gado de 1.370 hectares, localizada perto da cidade de Tostado, está sofrendo os efeitos de uma seca que nos últimos meses matou mais de 300 animais. Bezerro morre próximo à vaca em busca de água durante seca na Argentina AP Foto/Gustavo Garello Não muito longe, seu filho Pablo Giailevra estava ao lado do corpo de um espécime de inseminação da raça Braford morto ao lado de uma caixa d'água que deveria estar bem mais cheia nesta época do ano. “Ele morreu há dois dias; (os animais) vêm aos bebedouros; batem, se atropelam para beber a pouca água que tem, caem e não param mais”, lamentou o homem de 40 anos. Raposas, pumas e javalis também vêm ao tanque para beber porque não encontram onde se hidratar. Vaca morre de sede durante seca na Argentina AP Foto/Gustavo Garello Milhares de vacas mortas, plantações de soja e milho murchas e incêndios que ameaçam os campos da zona agrícola mais rica da Argentina são os efeitos de uma seca que já dura três anos devido ao efeito do fenômeno climático La Niña e causou milhões de perdas financeiras em dólares. Desde 10 de janeiro, cerca de 50% do território argentino sofre diferentes graus de seca e cerca de 26 milhões de cabeças de gado - dos mais de 54 milhões que compõem o tesouro nacional - estão em risco devido à falta de pasto e água em diversas regiões, indicou um informe do Mercado Pecuário da Bolsa de Rosario. Leia também: O que são as pastagens degradadas cuja recuperação é considerada como meta por Lula Inflação do prato feito e do café da manhã: alimentos básicos ficaram mais caros em 2022 Na fazenda Giailevra, especializada na criação de bezerros que são vendidos para o resto do país, as chuvas eram esperadas para meados de setembro e, quatro meses depois, não chegaram. Toda a água armazenada em poços e barragens estava acabando, e trazer um caminhão-pipa não parece a solução, dado o custo (cerca de US$ 1.500) e o fato de esgotar em um dia. Eles tentaram levar seu rebanho para pastar e beber em outros campos, mas, segundo eles, a cerca de 350 quilômetros de distância "você não consegue um lugar" porque eles parecem tão danificados quanto. Depósito de água seco devido ao clima na Argentina AP Foto/Gustavo Garello Centenas de hectares de algodão e pastagens estão arruinados pela seca e, paradoxalmente, a mais de 100 quilômetros está o Paraná, um dos rios mais caudalosos da Argentina que poderia contribuir para resolver o problema. No departamento de Santa Fé de 9 de Julio, em que Tostado é o chefe, das 600.000 cabeças de gado, pelo menos 400.000 sofrem com a falta de água, segundo Jorge Mercau, presidente da Sociedade Rural daquela cidade. No norte da província de Santa Fe, a falta de chuva provocou até agora a morte de pelo menos 3.000 vacas, indicaram as autoridades provinciais. Lavoura de algodão afetado pela seca na Argentina AP Foto/Gustavo Garello Santa Fé e as províncias fronteiriças de Entre Ríos e Córdoba concentram cerca de 10 milhões de animais em áreas afetadas pela falta de chuvas e um número semelhante é encontrado em Buenos Aires, disse o relatório Mercado Pecuário. O prejuízo produtivo é inevitável, que serão ponderados à medida que a pecuária chegar ao mercado, delimitou o estudo. A Bolsa de Grãos de Buenos Aires estimou uma redução na colheita de grãos no país - como soja, girassol e trigo -, traçando dois cenários possíveis dependendo do grau de seca, o que causará perdas entre US$ 11.000 milhões e US$ 15.700 milhões. A mesma entidade projeta uma diminuição do valor das exportações entre US$ 9.226 milhões e US$ 14.115 milhões e, consequentemente, uma quebra na arrecadação de impostos do Estado até US$ 4.739 milhões. O risco de seca atingiu 175 milhões de hectares em dezembro, com um aumento de 10 milhões de hectares face ao mês anterior, segundo um relatório da Direção Nacional de Risco e Emergência Agrícola, que indicou que o triénio 2020-2022 é o mais seco registrado no país. Outra consequência da falta de chuva, altas temperaturas e falta de umidade são os incêndios recorrentes. Focos de diferentes intensidades afetam áreas florestais em pelo menos nove províncias argentinas, segundo um relatório divulgado quinta-feira pelo Serviço Nacional de Manejo de Incêndios. Na área da cidade de Barrancas, na província de Santa Fe, os bombeiros combateram na terça-feira um foco que se espalhou-se afetando os campos cultivados. O produtor agrícola José Maulión, que tem 3.000 hectares - parte dos quais foram afetados pelo incêndio -, disse que, aos 42 anos, não se lembra de uma seca como esta que tenha causado atrasos nas colheitas e prejuízos imensos nas lavouras. Assista: Caminhão com vacas tomba e animais são esquartejados por população na Argentina: Caminhão com vacas tomba e animais são esquartejados por população na Argentina ‘Paraíso das vacas’ é ameaçado por tremores de terra nos Açores

FONTE: https://g1.globo.com/economia/agronegocios/noticia/2023/01/21/so-os-ossos-seca-mata-milhares-de-vacas-na-argentina-que-ficam-a-deriva-nos-pastos.ghtml


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Peça Sua Música

Anunciantes